sábado, 9 de maio de 2009

Neurônio espelho

Os Neurônios espelhos (“Mirror Neurons”) foram descrito pelos neurocientistas Giacomo Rizzolatti, Leonardo Fogassi e Vittorio Gallese (1988), na Universidade de Parma, Itália. Após observarem a área pré-motora em macacos constataram que há neurônios que disparam tanto quando um animal realiza um determinado movimento, como quando observa outro animal (normalmente da mesma espécie) a fazer o mesmo. Desta forma, o neurônio “imita” o comportamento de outro animal como se estivesse ele próprio a realizar esse movimento. Estes neurônios já foram observados de forma direta em primatas, acreditando-se que também existam em humanos e alguns pássaros.

Estudos recentes têm mostrado que eles são fortemente relacionados com nossa capacidade de aprender. Além de responder a ações dos outros (daí o nome espelho), eles podem ser a chave para descobrir como o ser humano começa a sorrir, andar, falar e até dançar. Num plano mais profundo, pode explicar a relação entre as pessoas e como as diferentes culturas são entendidas. Estudos afirmam que crianças autistas têm atividade menor dos neurônios-espelhos.

A descoberta das funções dos neurônios-espelhos vem sendo considerada um dos principais feitos da neurociência. Há cientistas que comparam o nível de importância desses estudos ao das células-tronco.